Financiamento de Imóveis

Financiamento de Imóveis: como funciona?

Quando a pessoa começa a procurar financiamento de imóveis, é indicado pesquisar e buscar conhecimentos sobre regras de mercado, condições e ofertas.

Geralmente, as pessoas buscam oportunidades na Caixa Econômica Federal, porém outros bancos e agências de imóveis também oferecem produtos e contratos acessíveis.

Mas sempre é necessário observar as ofertas e as condições contratuais.

Como funciona o financiamento de imóveis?

Vale ressaltar que antes da liberação do crédito, a Caixa Econômica, assim como os outros bancos, realiza uma análise de crédito para comprovação de condições de pagamentos das parcelas do solicitante.

É orientado ao solicitante que abra uma conta corrente na Caixa Econômica ou em outros bancos privados para os quais pretende solicitar crédito imobiliário.

É importante lembrar que o financiamento permite ao cliente investir somente 30% de sua renda na parcela mensal do pagamento.

Como é composta a parcela do financiamento?

Atualmente, a composição da parcela do financiamento de imóveis considera quatro fatores fundamentais: amortização, juros, seguros e custos de administração.

Sabemos que a amortização é a parcela que representa quanto o comprador está reduzindo o saldo devedor. Por outro lado, as parcelas podem incluir outros custos de administração que podem variar de banco para banco.

Por que o financiamento pode ser vantajoso?

Consideramos que ele pode ser muito vantajoso, principalmente, para trabalhadores que não conseguem altos valores para comprar uma casa própria à vista.

Ter acesso à crédito e manter parcelas com valores acessíveis pode ser muito positivo.

Quem pode fazer um financiamento de imóvel?

Na Caixa Econômica e em outros bancos existem exigências básicas para financiar uma casa:

  • É necessário possuir mais de 18 anos ou ser emancipado com 16 anos completos;
  • O cliente deve ser brasileiro ou possuir visto permanente no Brasil;
  • Possuir nome limpo, ou seja, ter cadastro sem restrições junto aos órgãos de proteção ao crédito;
  • Apresentar capacidade civil e de pagamento;
  • Trabalhar e morar no mesmo município, nos municípios limítrofes ou integrantes da mesma região metropolitana;

Quais são os tipos de financiamento de imóveis? (SAC, Tabela Price e Sacre)

Os tipos de contratos podem definir o estilo de pagamento da dívida ao longo do prazo. Atualmente, o mercado trabalha com o SAC, Tabela Price e Sacre.

O Sacre (Sistema de Amortização Crescente) é usado somente pela Caixa Econômica, mas atualmente não é oferecido com frequência.

Na tabela Price as parcelas são pré-fixadas, a maior parte da primeira prestação é formada por juros, porém com o passar do tempo o valor pago em juros cai e o em amortização sobe, mas o valor da parcela é sempre o mesmo na folha mensal de pagamento.

Na modalidade SAC há a manutenção do mesmo valor de amortização no decorrer do financiamento, mas o valor pago em juros pode diminuir reduzindo o valor da prestação no decorrer do contrato.

Na prática, a melhor taxa deve se adequar à renda do comprador sem comprometer grande parte de sua renda.

Como fazer um bom financiamento?

Numa visão simplista, o financiamento de imóveis atua como um empréstimo que prevê cobrança através de parcelas, cobrança de juros em atrasos com possibilidade de amortização.

No caso, o cliente obtém um crédito para adquirir um patrimônio, no caso um imóvel. O banco cede o dinheiro (crédito) e buscará adequar  melhor contrato.

Por outro lado o cliente deve ter consciência sobre as regras e normas do contrato evitando fechar um negócio impossível de pagar.

Faça uma boa pesquisa de imóveis

Além de caminhar bastante com os classificados de imóveis debaixo do braço, atualmente é comum pesquisar imóveis através da internet.

O cliente não deve se preocupar em achar um imóvel perfeito logo de cara, mas além da localização, condições e valores, encontrar as melhores condições contratuais.

Analise seu orçamento familiar

É importante compreender as reais necessidades de sua família, sempre tendo um olhar sobre os gastos e despesas de sua casa.

É importante fazer um estudo de orçamento familiar, incluindo gastos emergenciais.

Por outro lado defina a receita calculando os valores de salários, ordenados e renda extra mensal. Cálculos de rendas, pensões e investimentos também podem ser inseridos.

Faça simulações em várias instituições

É importante você consultar os principais bancos que oferecem crédito imobiliário. É fundamental saber as parcelas caberão no seu orçamento.

Existem simuladores virtuais, a Caixa Econômica oferece aplicativos em seu site para simular os valores para prever qual será o valor da entrada e das parcelas do financiamento de imóvel.

A simulação considera a renda e o preço do imóvel que pretende comprar.

Considere as unidades na planta

Além de ter interesse em comprar imóveis usados (já existentes) ou recém construídos (lançamentos recentes), pense em avaliar imóveis que são vendidos na planta.

Os imóveis que estão na planta podem oferecer valores mais baixos e parcelas mais acessíveis. As construtoras têm o interesse de facilitar a vida de novos clientes diminuindo os valores da entrada.

Também gostam de diminuir a burocracia exigindo documentação mais básica em comparação com os bancos.

Faça simulações em várias instituições

Além de procurar a Caixa ou uma construtora famosa, procure repicar a sua simulação em outras instituições financeiras.

Além de comparar condições você estudará como as parcelas poderão comprometer a sua renda mensal. Por outro lado, fique atento aos juros e condições de amortizações.

Aumente o valor da entrada

Essa é uma ótima estratégia. Quando você junta uma boa quantia para dar de entrada você pode diminuir, automaticamente, os valores das parcelas.

Será possível também exigir melhores condições contratuais, em certas instituições até mesmo obter redução de juros adicionais.

Quais os erros mais comuns na hora de financiar?

Mesmo planejando os custos, a renda e as parcelas junto à instituição financeira, existem clientes que cometem grandes erros na hora de fazer o financiamento de imóveis.

Prestações impagáveis

Existem pessoas assumem prestações maiores do que as reais condições que possui para o pagamento. É fundamental que o comprador e família incluam as parcelas no cálculo de custos e despesas da casa por um longo prazo.

Lembramos que a incidência de multas e juros por atrasos não são baixos, é importante ter certeza desse cálculo na hora de realizar simulações e fechar os contratos.

Omissão de informações

Outro erro é a omissão de informações pessoais na dívida ativa, pois algumas pessoas possuem o medo de perder o contrato, porém os bancos e demais instituições financeiras podem descobrir a mentira.

Não tenha pressa…

Você já ouviu falar que a pressa é inimiga da perfeição, certo? Esse ditado vale para a compra de um imóvel financiado. Muitas pessoas têm pressa de sair do aluguel e de se mudar logo. Essa pressa atrapalha nos estudos e nos cálculos e pode causar miopia de mercado na hora de fechar o contrato e verificar as condições.

Qual a renda mínima necessária para financiar?

Basicamente, não há valor único e definido para permitir que uma pessoa pode ou não realizar o financiamento.

Como já citado no artigo, o interessado deve calcular o orçamento de sua casa e sua base de renda antes de se interessar por um imóvel e por um determinado tipo de crédito.

É possível usar o FGTS para financiar?

O FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) é um direito trabalhista, refere-se a um determinado valor retirado do salário dos empregados para ser depositado em uma conta vinculada ao trabalhador junto ao governo.

Porém, mesmo podendo usar o valor do FGTS para financiar um imóvel, muitas vezes o valor real e acumulado do fundo é corrigido abaixo da inflação, pois o governo federal tira uma parte dos rendimentos desse fundo gerando perdas.

Quanto tempo leva para liberar o financiamento?

Existem financiamentos que levam 15, 25 ou 30 anos para serem cumpridos e quitados dependendo das condições do cliente a médio e longo prazo.

Mas, a preocupação também ocorre sobre o tempo de liberação do contrato do financiamento em decorrência da burocracia e obrigações iniciais para obtenção do crédito.

Dependendo da instituição financeira, nem sempre a liberação do contrato é demorada, porém é fundamental manter suas documentações e de seu esposo(a) sempre atualizados e em mãos, isso ajuda a acelerar a emissão e liberação dos contratos.

Conclusão

Neste artigo buscamos apresentar um guia fácil e direto sobre financiamento de imóveis. Não tenha medo de calcular suas rendas e salários mensais.

Faça a sua pesquisa de imóveis e busque ofertas e condições de contratos que você possa cumprir a médio e longo prazo sem comprometer a sua renda presente e futura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar